O último ano de 2023 foi uma montanha-russa para o varejo latino-americano, a inflação não deu trégua e os diferentes eventos sociopolíticos não ajudaram a melhorar a situação do setor. Aqui estão algumas das tendências do varejo para 2024 na região da América Latina.

No próximo ano, as empresas enfrentarão uma série de desafios a serem superados para se manterem relevantes e competitivas no mercado. Aqui estão três dos problemas mais significativos que o setor enfrenta atualmente.

Tendências do varejo 2024: da resiliência à sustentabilidade

Adaptabilidade ao varejo omnicanal

O primeiro desafio que o setor de varejo enfrenta é a adaptabilidade omnicanal. Na era digital, os consumidores esperam uma experiência de compra contínua e consistente em todos os canais, seja em lojas físicas, on-line ou por meio de aplicativos móveis. Vimos esse boom durante a pandemia de covid-19 e essa é uma tendência do varejo que veio para ficar.

No entanto, alcançar o verdadeiro omnicanal (e com eficiência) é um desafio para muitos varejistas, pois envolve investimento e integração de várias plataformas e sistemas, bem como gerenciamento de estoque e personalização da experiência do cliente em todos os canais e pontos de venda.

Integrar e coordenar o gerenciamento de estoque em cada um de seus canais de vendas como uma unidade será fundamental para aumentar a eficiência, reduzir os tempos operacionais e de tomada de decisão e ser mais flexível e adaptável diante de eventos imprevistos. E tudo isso só é possível com um rigoroso planejamento antecipado do estoque.

Sustentabilidade e responsabilidade social

A segunda questão que os varejistas enfrentam em todo o mundo, e particularmente na América Latina, é a sustentabilidade e a responsabilidade social.

A devastação causada pela superprodução de estoques e pela superexploração de recursos naturais é um fato inegável, e cada vez mais pessoas e grupos estão buscando uma mudança de paradigma no setor, procurando produzir apenas o necessário e com processos de gestão mais limpos e ambientalmente sustentáveis.

Os consumidores de hoje estão cada vez mais interessados em apoiar empresas que demonstrem um compromisso genuíno com a sustentabilidade e a responsabilidade social, e as empresas precisarão fazer esforços e investimentos para atingir essas metas. A chave para isso?

Antecipação adequada da demanda de estoque para encontrar o equilíbrio perfeito entre oferta e demanda. Isso permitirá que eles sejam transparentes em sua cadeia de suprimentos e demonstrem seu compromisso com a responsabilidade social corporativa (CSR).

No entanto, conseguir isso pode ser um desafio, e nem todos os varejistas estão preparados para uma mudança tão repentina e necessária, pois isso pode exigir mudanças significativas nas operações e na cadeia de suprimentos de uma empresa com as quais muitos não conseguirão lidar.

Adaptação às mudanças do consumidor

O terceiro e último grande desafio é a adaptação às mudanças nos padrões de consumo. A pandemia da COVID-19 acelerou as mudanças nos hábitos de consumo, levando as empresas de varejo a adaptar seus modelos de negócios e estratégias de marketing para modelos novos, mais eficientes e inovadores.

Isso inclui a digitalização acelerada das operações, a personalização da experiência de compra e a adaptação a novos modelos de consumo.

Este será, sem dúvida, um ano desafiador para o setor varejista, que, juntamente com essas questões, terá que buscar um equilíbrio de estoque adequado e ideal em sua gestão de estoque, além de lidar com o aumento da inflação e uma cadeia de suprimentos fraca e em constante mudança.